quinta-feira, 5 de julho de 2012

Caso 28


1. Carina Alexandra é uma petiza amorosa, que esconde sobre um olhar intimidante um terno coração de ouro, uma postura angelical e inocente na vida, crente que o seu semelhante procura o bem, a paz e a fraternidade, o amor, os passarinhos, as pessoas felizes e os pratos tradicionais mediterrânicos, com excepção da paelha, por razões que são tão óbvias que até assustam.
Depois de anos num convento, onde correu para carpir mágoas e conviver com a  sua catarse, cruzou-se com o sensual Xico Tuga, o Casanova da Planície e o seu coração galopou como égua melancólica assustada, sentiu-se inebriada num sentimento novo que desconhecia e entregou-se a uma paixão mais forte que ela, quebrou as amarras que a prendiam ao divino, para se entregar ao carnal; um mês depois, estavam casados, numa daquelas praias paradisíacas lá para os lados das caraíbas.
E compraram carro, móveis e uma viagem de lua-de-mel. Tudo pago por ela, porque ele era alérgico a trabalhar. E moraram numa casa dela, doada por uma tia surda, há muitos anos atrás. Que ela depois quis vender, mas que ele era contra. Aliás, quando a tia lhe ofereceu a casa, ainda ela se chamava Carlos Alexandre. Um pequeno pormenor que ela só contou ao marido depois do casamento. Quando ele quis ser pai e ela teve de explicar a impossibilidade. Ainda lhe perguntou se ele queria ir com ela ver os aviões, mas ele desapareceu sem deixar rasto nem morada.
Mas já antes disso o sonho se tinha esvanecido numa noite de verão: ao regressar inusitadamente a casa, encontrou Xico Tuga a comer um brigadeiro que não era seu, nos braços desnudas da invejosa Doroteia, judas na pele de amiga, que por mesquinha inveja tinha arrastado Xico para o pecado. Carina ficou desesperada e procurou a sua ajuda para saber quais as possibilidades que tinha.
Regressou a casa e deitou-se. Como estava calor, deixou a janela aberta. Não conseguia dormir e tomou comprimidos. E perdeu a razão. Mas acordou sobressalta, com o tarado do sobrinho, um doidivas de quinze anos, a fazer o coito com ela adormecida.
Quid Juris
2. Carina quer pedir indemnização a Xico Tuga por este ter andado a comer um brigadeiro que não era o dela. Ajude-a. ela está triste e desesperada e o meu bom discente é exactamente o que ela precisa!

Nenhum comentário:

Postar um comentário